O Gato no Reino Animal

O gato...um felino em dose pequena. É um animal muito especial e nós sabemos disso, deste modo, dispomos de uma vasta gama de alimentos apelativos e de grande valor nutritivo, assim como uma panóplia de brinquedos ocupacionais, simples, práticos e de qualidade para o seu gato e de fácil interação para ambos.

A saúde e a longevidade do seu gato é a nossa maior preocupação. Mime o seu gato!

  • Etapas da Vida

    Amamentação:

    Os gatos precisam de leite materno para se manterem saudáveis durante a sua vida. O leite que os humanos ingerem é prejudicial à saúde do gatinho e pode matá-lo, o seu sistema digestivo ainda não está totalmente desenvolvido, portanto o seu alimento deve ser especialmente formulado para ajudar a reforçar a segurança digestiva.

     

    A fase de mudança do tipo de alimentação deve ser feita gradualmente, com muito cuidado e atenção. Nunca pode ser feita de forma brusca, porque o organismo do gato pode não aceitar bem e provocar por exemplo diarreias, que podem ser mortais nesta fase da vida. Amamente os felinos recém-nascidos com cuidados e utensílios especiais: o leite e biberon têm de ser específicos para gato e este deve ser amamentado um pouco de duas em duas horas.

     

    Os gatinhos possuem estômagos pequenos, portanto é essencial que sejam pouco alimentados mas com muita frequência. À medida que eles crescem, as refeições aumentam em quantidade e podem tornar-se menos frequentes.


     

    Crescimento:

    Geralmente durante esta fase, eles são extremamente carinhosos e divertidos. Necessitam de um ambiente interessante e atractivo, um ambiente desinteressante, sem actividades lúdicas, pode fazer com que saia de casa à procura de novos amigos. Para minimizar esse risco, os veterinários recomendam a castração.
     

    Na primeira fase de desenvolvimento ele é muito frágil e imaturo: as suas únicas defesas imunológicas foram trazidas pelo leite da mãe. Se o leite materno é insuficiente, um substituto (leite artificial específico) para gatos deve ser dado como complemento pois ele desenvolver o esqueleto, os músculos e os órgãos. Na segunda fase de crescimento desenvolvem-se os dentes definitivos, a conjuntura óssea e muscular, e terminam a evolução do sistema digestivo. O equilíbrio dos diferentes nutrientes indispensáveis ao crescimento do gato permanece idêntico até os 12 meses.

     

     

    Idade Adulta:

    Independentes, mas companheiros. É considerado adulto a partir de 12 meses a 8 anos aproximadamente. Quando acaba o crescimento, o nível de actividade pode começar a diminuir. É recomendado uma dieta nutritiva de ração para gato adulto e incentivo ao exercício com brinquedos interactivos e rotina de cuidados veterinários que irão ajudar a garantir a continuidade da boa saúde do seu amigo.

    Estabilizou o tamanho e o peso, no entanto a nossa responsabilidade não acabou. Estes anos são cruciais, pois é durante este período que as primeiras tendências para as doenças relacionadas à idade podem aparecer, como diabetes, artrite ou doenças cardíacas.

     

     

    Maturidade:

    O bom e velho amigo. O envelhecimento é um processo natural. A qualidade de vida na "terceira idade" reflectirá a hereditariedade do animal e também os cuidados que recebeu do seu dono. O gato idoso irá gostar de mais horas de sono, de lugares ao sol quentes e sossegados. Têm tendência a beber menos água, por isso observe o consumo. As brincadeiras continuam a fazer parte do estilo de vida dos gatos até mesmo dos mais velhinhos.

    Não deixe que ele se acomode, é importante para o seu bem-estar. Apesar dos sinais de envelhecimento serem discretos é importante reconhecê-los e discuti-los com o seu médico veterinário para que possa aplicar algumas medidas que ajudem a prevenir os efeitos do envelhecimento. Como dono de um animal maturo tem um papel fundamental para ajudar o seu gato a ter um envelhecimento saudável. 

  • Bem Estar

    Cuidados Diários:

    A escovagem trata-se de uma necessidade para retirar os pêlos mortos que se conservam na pelagem e evita que o animal os engula. Se o animal se lamber excessivamente, poderá ingeri-los em quantidade elevada, provocando a formação de bolas de pêlo no estômago. As bolas de pêlo podem originar vómito e obstipação, prejudiciais ao crescimento do gatinho.


    Os olhos costumam ser vivos e brilhantes. Embora não necessitem de cuidados especiais, é bom examiná-los regularmente. Alguns gatos deitam lágrimas que formam um sulco de baixo do olho, onde ocorre a mudança de cor da pelagem. Pode evitar isso, se limpar as secreções oculares diariamente com uma comprensa embebida em soro fisiológico farmacêutico ou alguma loção oftalmológica. Limpe os olhos do canto interno das pálpebras para fora.


    O nariz deve estar sempre limpo e húmido. Alguns gatos podem exibir sinais de secreções nasais no canto das narinas. Pode-se eliminar isso facilmente, com o uso de uma comprensa ou papel-toalha embebido em água morna.


    As orelhas devem ser regularmente inspecionadas. Se elas estiverem sujas, borrife um pouco de loção otológica e massage por fora. Para limpar as orelhas, consulte o médico-veterinário para determinar a causa. Só um profissional será capaz de prescrever o tratamento apropriado.

    O corte das unhas não é um procedimento doloroso, deve acostumá-lo desde pequeno neste processo, escolha um lugar confortável e segure-o com firmeza.

     

     

    Sensibilidades:

    As sensibilidades conhecidas no gato passam pela sensibilidade digestiva, expelir as bolas de pêlo e a qualidade e estado/tipo de pêlo.

    Tenha atenção às fezes do seu gato e se encontra bolas de pêlo expelidas por ele, pois pode ter mais dificuldade em fazê-lo do que a maioria dos gatos. Os pêlos são ingeridos involuntariamente enquanto fazem a sua higiene pessoal ao lamber-se, para que o seu gato normalize essa tarefa existem pastas eliminadoras de bolas de pêlo e rações específicas que também o ajudam nessa tarefa.

     

     

    Avalie a saúde do pêlo, mantenha o pêlo do seu gato cuidado, a nutrição evoluiu muito nesse sentido, dado que há vários tipos de pelagem nos gatos, desenvolveram-se também vários tipos de alimentação específicas para cada caso, aproveite esta evolução e avalie o estado e o tipo de pêlo do seu gato e escolha bem!

     

     

    Socialização:

    O desenvolvimento comportamental do gato começa assim que ele tem contacto consigo. É essencial pegá-lo e acarinhá-lo. Esta provado que este acto constante nos primeiros meses de vida, melhora a capacidade de aprendizagem destes animais.

    As brincadeiras ajudam na adaptação ao meio ambiente e são fundamentais para o seu desenvolvimento comportamental. O modo como é tratado durante as primeiras semanas tem influência directa sobre sua relação com as pessoas e sobre o seu comportamento por isso as brincadeiras de espreitar e saltar sobre uma presa imaginária, ajudam no desenvolvimento neural e muscular dos gatos e são uma boa iniciativa para a socialização mas não o deixe arranhar nem morder.

    Deixe o animal entrar em contacto com o maior número de pessoas possíveis. Isto diminuirá o seu medo de pessoas estranhas quando ele se tornar adulto. A curiosidade faz parte do processo de aprendizagem do animal. Deve sempre tratá-lo com amor e delicadeza mas também com limites e regras principalmente na primeira fase da sua vida. Isto certamente evitará que aquele doce gatinho se torne num gato incomodativo.

  • Nutrição

    Alimentação Adequada:

    Existem diferentes tipos de alimentos para gatos. O mais importante é escolher aquele que melhor se adapta às suas necessidades, respeitando a sua idade, raça, modo de vida, estado fisiológico e qualquer outra necessidade específica que o animal apresente (sensibilidade digestiva ou cutânea, por exemplo). A base de uma boa alimentação é fornecer tudo o que o organismo necessita para funcionar corretamente e manter o animal saudável.

     

    Podemos dividir a nutrição do seu gato em dois tipos: Alimento caseiro ou alimento industrial (Ração).

     

    O alimentos caseiros deve ser preparado por si com base em ingredientes tais como, arroz, carne e legumes e não de um alimento normal que as pessoas comem no dia-a-dia. Estas refeições, têm como inconvenientes o fator custo e, principalmente, a dificuldade de conseguir um alimento equilibrado que contenha as proporções corretas de proteínas, lípidos, cálcio, fósforo, fibras, vitaminas e oligoelementos. Os animais alimentados com preparações caseiras necessitam de receber suplementos minerais. Têm a desvantagem de variar consideravelmente em composição de dia para dia, o que pode causar alterações gastrointestinais no seu gato. Tenha muita atenção.

     

    Alimentação industrial é sem dúvida, o que aconselhamos para o seu gato. A principal vantagem destes alimentos é o facto de fornecerem ao seu gato todos os elementos indispensáveis a um desenvolvimento harmonioso e a um crescimento regular. São elaborados cuidadosamente, utilizam os mesmos ingredientes e obedecem às mesma regras sanitárias que a alimentação humana. Duas vantagens adicionais e não menos importantes deste tipo de alimentos são o facto de o seu custo ser bastante inferior ao das preparações caseiras e de não exigirem qualquer tipo de preparação.

    Existe neste tipo de alimento várias formas: húmido, semi-húmido e seco.


     

     

    Função dos Alimentos:

    A nutrição tem um papel importantíssimo na manutenção da saúde da pele e da beleza da pelagem.

    Estas duas estruturas exigem uma grande parte das necessidades nutricionais totais do animal e, por isso, os efeitos de uma má alimentação tornam-se rapidamente visíveis. As vitaminas são essenciais para uma boa visão, crescimento ósseo e metabolismo eficiente dos gatos.

     

    Os gatos, como carnívoros, utilizam uma elevada quantidade da proteína veiculada no alimento para produzir energia. Para além dos 10 aminoácidos que são essenciais para todas as espécies domésticas, os gatos necessitam de quantidades significativas de taurina, um aminoácido que apenas se encontra em certas fontes de origem animal. Para além da taurina, os gatos apresentam uma necessidade vital de ácido araquidónico, um ácido gordo essencial, que não conseguem sintetizar em quantidades suficientes por forma a preencherem as suas necessidades metabólicas.

     

    Necessitam também de uma fonte de Vitamina A pré-formada (beta-caroteno), uma vez que são incapazes de converter os precursores vegetais de Vitamina A na sua forma ativa. Niacina, outra vitamina, é também necessária em elevadas quantidades na dieta. Estes nutrientes, absolutamente indispensáveis para os gatos, são encontrados em produtos de origem animal. Desta forma os gatos não conseguem sobreviver com uma dieta estritamente vegetariana.

     

     

     

    Comportamento Alimentar:

    É importante realçar que os gatos não são eficazes na regulação do consumo de água e apresentam preferências alimentares exclusivas. Apesar do facto de os gatos beberem água em intervalos de tempo curtos ao longo do dia e da noite, são incapazes de corrigir eficazmente as suas deficiências em água. Esta capacidade limitada de controlar a ingestão de água faz com que apresente uma grande capacidade de concentrar a urina, e este fator torna os gatos mais suscetíveis para a cristalização de sais minerais, ou urolitíase, que está relacionada com o desenvolvimento de Doença do Trato Urinário Inferior Felino.

    De uma maneira geral os gatos preferem ingredientes de origem animal, principalmente fígado, peixe, carne de aves (frango, peru, pato), ou vaca. Os gatos não gostam de ovos. Todos estes alimentos são ricos em gordura e as suas texturas são as ideais. Fígado contém concentrações de vitamina A muito elevadas e se ingerido em elevada quantidade pode colocar a sua saúde em risco.

    Os gatos são também indiferentes ao sabor doce, o que se confirma pela sua total aceitação a produtos animais pobres em açúcar. São muito sensíveis ao cheiro, sabor e, acima de tudo, à textura dos alimentos, mas mostram pouco interesse no que respeita à sua cor. Demonstrou-se que preferem alimentos com sabor ligeiramente ácido e servidos à temperatura ambiente.  

  • ClĂ­nica

    Doenças e Alergias:

    Existem vários sintomas que podem indiciar que o gatinho está com algum problema de saúde. Um dono atento pode detectar de forma precoce indícios de complicações e conseguir evitar a progressão de doenças que podem ser mais difíceis de combater numa fase mais avançada do seu desenvolvimento. Por isso se detectar algum destes sintomas, ou se a sua intuição lhe disser que algo de anormal se passa com o seu gato, deve dirigir-se de imediato ao veterinário.

     

    Algumas doenças frequentes:

    Coriza felina

    Panleucopénia felina

    Peritonite Infecciosa Felina (PIF)

    Tinha e fungos

    Otite

    FeLV

    Fiv

    Sistema urinário

    Insuficiência Renal

     

    Algumas alergias frequentes:

     

    Alergia respiratória

    Alergias de contacto

    Alergias a medicamentos

    Alergia à pulga

    Alergia à comida

    Complexo Granuloma Eosinofílico

    Dermatite Miliar

    Dermatite Húmida

     

     

     

    Esterilização:

     

    A esterilização ou castração trata-se de um procedimento cirúrgico que envolve a remoção total dos órgãos reprodutores dos gatos e que é destinada a impedir a reprodução. É realizada sob anestesia geral e o Médico Veterinário é o único profissional habilitado para realizar esta intervenção. Uma vez que envolve uma anestesia geral, podem ser necessárias algumas análises antes da cirurgia, por forma a prevenir alguma complicação que possa decorrer. O macho é esterilizado de forma permanente por meio de orquiectomia (castração) e a fêmea através da ovariohisterectomia ou da laqueção das trompas.

    A esterilização elimina os principais problemas clínicos passíveis de afectar o sistema reprodutor e diminui os riscos de doenças contagiosas e de acidentes. Por esse motivo, a esperança de vida dos gatos e gatas esterilizadas duplica.

    • A esterilização evita o risco de doenças do sistema reprodutor

    • A esterilização diminui o risco de acidentes

    • A esterilização reduz o risco de doenças contagiosas

     

     

     

    Desparasitação:

    Recomenda-se a desparasitação do seu gato a partir das duas semanas de idade. Como o desparasitante só actua nos parasitas adultos, deve repetir o acto passadas duas a três semanas após a primeira dose, e depois uma vez por mês até aos seis meses de idade. A partir dos seis meses a desparasitação é feita duas vezes por ano.

    O desparasitante existe em pasta e em comprimidos, e em diferentes marcas. Como os parasitas se vão tornando mais resistentes, é natural que ao longo da sua vida vá mudando de produto, porque estão sempre a surgir produtos mais eficazes. A utilização de desparasitantes que não sejam próprios para gatos ou em doses erradas, pode provocar danos de saúde irrecuperáveis. Siga o conselho de um veterinário.

    Existe dois tipos de parasitas: internos e externos. Internos são os que vivem nos intestinos, os mais comuns são os helmintes e os protozoários. Por outro lado, os parasitas externos são as pulgas, carraças, ácaros e fungos.

     

     

     

     

    Vacinações:

    Nada melhor do que apostar na prevenção. A vacinação processa-se em duas fases distintas. A primeira vacinação deve realizar-se entre as 6 e as 9 semanas de idade e protege-o de certas doenças graves: coriza, panleucopénia felina, leucose felina e raiva.


     

    As doenças mais frequentes e mais graves podem ser impedidas pela vacinação. O registo da vacinação, assinado pelo médico veterinário, proporciona uma prova da proteção do animal contra diversas doenças. Quando ele atingir um ano de vida, o médico veterinário deverá efectuar uma segunda revacinação contra a coriza, a panleucopénia, a leucose e a raiva.


     

    O reforço das vacinas deverá ser efectuado anualmente. É importante que seja vacinado ao longo da vida e que mantenha o boletim de vacinas em dia. Se o gato tiver acesso à rua, então a importância da vacinação aumenta ainda mais.

A actualizar…